A jornada é a recompensa

Foi um dia tranquilo e pacífico. Nenhuma tarefa estava esperando por Snoopy Moony, e então ela decidiu fazer uma pequena excursão para Ab’Dendriel. Ela gostava da atmosfera calma da cidade élfica e até conhecia alguns dos habitantes. Elathriel, por exemplo. Durante sua última visita, ela mesmo aprendeu um novo feitiço do elfo e, apesar da atitude mal-humorada, sentiu uma conexão.

Então, uma vez que ela chegou a Ab’Dendriel, foi ver Elathriel primeiro. Ela viu uma porta trancada no caminho que ela não havia notado antes, e decidiu perguntar sobre isso. Ele zombou dela e, de brincadeira, ofereceu-se para lhe vender uma chave, assumindo que ela não teria dinheiro suficiente de qualquer maneira. Quando ela entregou o dinheiro, o elfo pareceu desconcertado, mas deu a chave a ela.

Feliz, Snoopy guardou a chave, saltou e deixou  Elathriel sem palavras com sua alegria!

A chave abriu um caminho para um misterioso portal. Snoopy hesitou. Ela deveria ou não? Após pensar um pouco ela avançou. Ela girou e sentiu uma onda de adrenalina quando ela parou em uma plataforma. Além da tontura do teletransporte, ela imediatamente sentiu um calor fumegante devido a lava que ela de repente se viu cercada. Ela rapidamente agarrou a escada na frente dela e subiu para escapar.
– Onde estou ? Ela se perguntou. E em um segundo pensamento: – Como eu volto? Ela olhou em volta, mas não viu nenhuma opção de retorno.

Com medo, ela segurou a varinha com as duas mãos. Um passo depois, começou lentamente a avançar para procurar uma saída. Depois de algum tempo, porém, seu pânico inicial se estabeleceu e ela caminhou com mais confiança. Ela subiu e desceu vários buracos, facilmente se defendeu contra os esqueletos que atravessaram seu caminho enquanto ela vagava por caminhos aparentemente intermináveis.
Uma ou outra, ela cruzou córregos de lava, que lhe lembraram de não baixar completamente a guarda. Esta área desconhecida poderia facilmente se tornar sua sepultura. As pontes sólidas que levaram sobre os fluxos de lava deram-lhe esperança, no entanto. Se alguém construiu pontes aqui em baixo, então ela tinha que estar em um caminho que era usado, ela esperava que por pessoas agradáveis.

Quando viu alguns rotworms, lembrou-se de um relatório impressionante que ela havia lido uma vez, escrito pelo famoso Amaro. Ele viveu com essas criaturas por um tempo e os descreveu como realmente amigáveis, então ela hesitou antes de matá-los. Até agora, os rotworms tinham sido as únicas criaturas que ela tinha visto em seu caminho, que poderiam ser qualificados como comida, então ela decidiu usar sua varinha contra eles. Ela não sabia por quanto tempo essa jornada continuaria, então seria inteligente encher suas mochilas com tanta carne quanto podia carregar.

Ao prosseguir, ela teve que se defender contra ghouls, skeletons, mais rotwormscarrion worms e até mesmo viu alguns bonelords. Nada muito assustador, se ela tivesse apenas uma ideia de como sair desse sistema de túnel subterrâneo. Ela se sentia realmente perdida. Não sabia quanto tempo havia passado, ela simplesmente esperava que os elfos em Ab’Dendriel achassem seu Truly Dooly cor de marfim e que eles o alimentassem. Lembrando seu melhor amigo, ela tinha um nó na garganta. Ela condenou sua coragem e curiosidade anteriores e prometeu-se que, se ela voltasse a estar numa situação semelhante, ela não optaria pelo desconhecido.

Pelo canto dos olhos, viu um conjunto de escadas. Aliviada e cheia de esperança de que isso poderia ser uma saída, ela correu em direção a elas. No entanto, ela se encontrou mais uma vez em um caminho sombrio e enlameado, ela perdeu toda a energia de seu corpo e seus joelhos cederam. As preocupações e os pensamentos ruins se arrastaram sobre ela quando ela estava ajoelhada no chão. Em uma tentativa de lutar contra um colapso, ela reuniu as últimas forças e decididamente se preparou para seguir em frente.

 

Quando ela viu um slime no caminho, ela se lembrou de ajudar Bozo a criar bombas fedidas com o odor dele. À medida que mais lembranças desses dias chegavam até ela, ela começou a se preocupar. Ela tinha ouvido que as pessoas perto de morrer lembravam de amigos, tempos passados ​​e aventuras passadas durante as últimas horas. Talvez a morte fosse iminente. Ela até se perguntou se talvez já estivesse morta e estivesse vagando no inferno.

Não sabendo o que mais fazer, ela avançou, sempre encontrando um pouco de alívio em suas memórias de Stonehome e seu bom amigo Spectulus em Edron. De repente, ela tropeçou, e quando ela olhou para baixo, viu um esqueleto de dragão no chão. Uma súbita onda de adrenalina a puxou de volta para o presente completamente alerta. Ela estava totalmente alarmada agora. Dragões …? Ela não sabia se poderia sobreviver a tal luta.
Lenta e silenciosamente, ela colocou um pé antes do outro, prestando atenção ao seu redor. Quando ela subiu outro buraco e se viu entre mais esqueletos de dragão ainda, ela estava bem perto de entrar em pânico. “Estou muito morta”, pensou. No entanto, depois que ela conseguiu engolir um pouco de seu medo, ela também notou alguns morcegos, o que acendeu uma faísca de esperança nela imediatamente. Se houvesse morcegos, ela precisava estar perto da superfície. Ela desejou muito uma saída.

E, de fato, depois que ela subiu mais um buraco, ela inalou ar fresco … Bem – quase fresco. Tudo cheirou realmente queimado! Olhando para o seu entorno, ela se encontrou novamente entre vários esqueletos de dragões. Confusa e assustada, ela examinou a área. Ela parecia estar em uma ilha, uma ilha que é, ou talvez fosse, lar de muitos dragões.  O que aconteceu aqui?, ela se perguntou … Ela suspirou quando ela percebeu que sua aventura ainda não tinha terminado.

Não muito longe de onde ela tinha subido, ela podia distinguir as muralhas do castelo e considerava pedir ajuda, mas depois decidiu não fazê-lo. Este lugar realmente não parecia acolhedor.
Entrar no castelo tornou-se seu objetivo imediato, mas não era tão fácil quanto esperava. Ela encontrou um caminho depois de um tempo, foi recebida por alguns skeletons e scorpions, e ficou no início de um labirinto. O chão do castelo estava coberto com toneladas de ossos. Ela teve que afasta-los do caminho para poder avançar. No meio de toda essa bagunça, ela encontrou uma chave.
Outra chave, pensou. Que piada cruel. Ela pegou, no entanto, esperando que ele abrisse uma portal que a levaria de volta para casa.

Explorando o labirinto, ela realmente encontrou uma porta trancada à qual a chave pertencia. Como ela parecia estar sozinha aqui de qualquer maneira, ela decidiu explorar este lugar completamente, perguntando-se sobre o que mais ela encontraria. Quando ela tirou a tampa de alguns caixões, ela estava preparada para lutar contra vampiros ferozes. No entanto, nada aconteceu. Em vez disso, ela encontrou outra chave.
Com certeza, ela também encontrou uma porta para esta chave, com uma alavanca misteriosa escondida por trás disso. Até agora, sua curiosidade não tinha sido muito útil para ela hoje … mas, mais uma vez, ela não podia resistir. Ela puxou a alavanca e imediatamente se protegeu. Mas nada aconteceu. Ela deu de ombros e se virou. Ela não tinha certeza se sua mente estava jogando um truque sobre ela, mas tinha a sensação de que as paredes se moviam.
Quando encontrou outra alavanca e, mais uma vez, nada aconteceu depois que ela puxou, ela pensou que algo estava estranho. Ela voltou para a primeira para ver se ela conseguia estabelecer qualquer conexão. Quando ela chegou lá, havia mais uma chave no chão. Ela pegou cautelosamente. Sob seu medo, isso estava começando a sentir como uma caçada ao tesouro. Parte dela gostava disso e ela estava curiosa onde esse caminho a levaria. No fundo de sua mente, ela estava preocupada, no entanto. Quem tinha deixado todas estas chaves aqui …?

 

A busca de chaves e portas tornou-se seu pensamento princiapl. Ela avançou para dentro e para cima neste labirinto. Ela lutou contra alguns ghouls, skeletons e demon skeletons. Nada que ela não pudesse lidar. Quando de repente ela se viu em uma sala de tesouro, ela tinha certeza de que era isso que deveria encontrar. Ela procurou uma maneira de acessar o tesouro, até viu uma outra chave dentro de uma parede, mas não conseguiu descobrir como chegar a ela.
Depois do que deve ter sido horas de busca, todo o desespero que ela havia esquecido inundou-a emocionalmente. Esgotada, finalmente não estava disposta a continuar, ela afundou no chão mais uma vez. Ela não tinha mais energia. Então esse é o fim, pensou. Ela estava certa de que ela iria morrer aqui. Seus olhos se encheram de tristeza, lembrando-se novamente de Trully Dooly e de todos os amigos. Ela sentou-se lá no chão de um estranho labirinto em uma ilha desconhecida e chorou ate adormecer.

Ela acordou com uma voz familiar. Ela estava atordoada e ainda não tinha uma boa compreensão na realidade. Elathriel ficou na frente dela … Snoopy! Estou tão aliviado que te encontrei! Quando eu vi Truly Dooly ainda em Ab’Dendriel horas depois de você ter saído, eu fiquei extremamente preocupado, então eu decidi segui-la! Você está bem?

Ainda impressionada, ela não conseguiu responder verbalmente, mas ela rapidamente colocou os braços em volta do pescoço de Elathriel para o maior abraço que ela já havia dado. O elfo levou-a a uma placa de metal no chão e disse-lhe para simplesmente ficar lá e aguardar mais instruções. Ela fez tudo como ele disse, e juntos conseguiram recuperar a chave de parede que Snoopy tinha visto antes. Elathriel parecia conhecer o caminho e liderava sem qualquer hesitação. Snoopy lentamente percebeu o fato de que ela estava realmente sendo resgatada e sentiu que tudo ficaria bem. Neste estado de alívio, o tesouro já não era mais importante para ela. Ela simplesmente seguiu o elfo, que defendeu os dois contra todas as criaturas que estavam a caminho deles.

Depois de pouco tempo, ela se encontrou na frente de outro teleporte. Confiando em seu salvador, ela entrou, apesar de ter prometido a si mesma que nunca mais faria isso. Quando ela abriu os olhos, ela mal podia acreditar. Finalmente, ela estava de volta à Ab’Dendriel!

Lágrimas começaram a correr pelas bochechas quando viu Truly Dooly esperando por ela. Ela ficou tão aliviada por ter recuperado a vida e que não teve que testar suas habilidades contra os dragões. Ela olhou para Elathriel e, quando o elfo fez sinal para que ela continuasse, ela montou Truly Dooly para voltar para Stonehome. Naquele momento, ela decidiu que na próxima vez que ela visitasse Ab’Dendriel, ela iria contrabandear algumas das deliciosas tortas de Mirabell de Edron para Elathriel.

Uma lição que ela aprendeu com esta aventura é que nenhum tesouro poderia ser mais valioso do que um verdadeiro amigo lhe dando cobertura quando se precisa de ajuda! Ainda assim, algumas perguntas ocuparam sua mente por muitos dias por vir. O que era esse lugar? e onde ficava este lugar? E o que aconteceu com os dragões? Quem é dono do castelo? e quem escondeu todas essas chaves?

Um dia, pensou ela, reuniria alguns amigos e voltaria para descobrir mais. Ela colocou uma mão no bolso para se certificar de que a chave inicial que ela comprou de Elathriel ainda estava lá…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *